terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Entrevistas de Rob para NWZ Online e RBB-online - Promo ''LIFE''

Robert Pattinson está sendo representado com dois filmes no Festival de Berlim deste ano. No primeiro ele interpreta o fotógrafo de James Dean. Na entrevista, a ex-estrela vampiresca, como era conhecido antes, fala na lenda de Hollywood.

Em um luxuoso hotel no centro de Berlim, escondido em um salão de beleza na área atrás do lobby, Robert Pattinson esta sendo entrevistado nesta segunda-feira por seu filme "Life" no Berlinale. Barba, cabelo desgrenhado, sobre uma mesa diante dele uma garrafa de Coca. Antes de ir com a primeira pergunta errada, aos 28 anos ele se tornou mundialmente famoso como o vampiro Edward Cullen nos filmes "Crepúsculo" preciso para trazer rapidamente goma de mascar.

Em "Life", de Anton Corbijn, Pattinson interpreta o jovem fotógrafo Dennis Stock, que descobriu James Dean antes de sua descoberta em Hollywood. Na entrevista, a Agência de Imprensa Alemã, Pattinson fala sobre suas fases de James Dean e da sua imagem como um galã.
James Dean é um dos grandes ícones do nosso tempo. Qual é a sua impressão sobre ele?
Acho que todo ator tem finalmente uma fase com uma certa obsessão por James Dean. Quando eu tinha 16 ou 17 anos, eu era apenas uma imitação de James Dean - não importa qual o papel. [..] Eu acho que James Dean gostava quando as pessoas olhavam para ele. Mas há também os outros atores que não sabem exatamente por que são atores. (risos) Acho que me pareço mais com ele.

O que você fazia quando imitava James Dean?
Eu imitava principalmente a linguagem corporal. Por exemplo, algo como isto: (Ele suporta os cotovelos nas coxas e coloca a cabeça brevemente na mão). Quem me viu imitando James Dean, provavelmente se perguntou o que eu estava fazendo!
Desde o final de "Twilight", você tem trabalhado com diretores como Cronenberg, Herzog e agora acabou de estar com Corbijn. Vejo que "Twilight" abriu a porta para novos projetos ou é mais uma maldição, e não menos importante, porque sua imagem é criada como um galã?
Realmente me fez muito bem. Todo mundo tem de lidar com qualquer coisa. Também tem uma coisa boa quando as pessoas o acusam de ser escalado para um tipo particular. Isso irá ajudá-lo a experimentar a ser proferido por coisas diferentes. [..] Dá-lhe energia, por assim dizer. [..] É divertido, de modo a refazer uma imagem.


Sr. Pattinson, James Dean ainda é um ícone para a sua geração?
Definitivamente. Especialmente quando eu era jovem. Eu conhecia James Dean, antes mesmo de saber que queria ser um ator. Eu conhecia muitas de suas entrevistas. Ele era formativo e influenciava cada ator. Apenas por sua fisicalidade. Cada um que se inclina para frente e quer parecer legal, copiava, menos James Dean. (risos)

Tem uma certa ironia em você estar interpretando um fotógrafo. Você as vezes é aconselhado em como levar sua vida com fotógrafos ao fundo, e as vezes eles tem feito da sua vida um inferno. Como foi representar um fotógrafo?
Eles ainda fazem isso. Mas para ser honesto, eu tinha noções preconcebidas sobre fotógrafos. Assim como Anton Corbjin. Nossas ideias tem sido as mais diferentes possíveis. Para Anton fui no filme todo para natureza dos fotógrafos. Eu acredito que Dennis Stock, que não é visto como um fotógrafo, mas como alguém que queria ser seu artista necessariamente. Ele apenas viu um artista como James Dean no próprio filme, eu senti seu ciúme profissional. Por que Dean é visto como um artista e eu não. Foi o que gostei sobre isso.

 Eles dão a um ator muito sobre si mesmo e também responsabilidade ao diretor. Como você lida com o fato de eles terem influência indireta no produto final?
É sempre um pouco de jogo, mas também é parte do trabalho. Eu falei por uma hora com o diretor Anton Corbijn um ano antes do começo das filmagens e assumi o papel. Eu tinha visto o script por meia hora antes do nosso curto encontro e queria impressioná-lo. Ele poderia sair com qualquer coisa. Apenas durante as filmagens pude sentir a história. É uma questão de confiança.

O que você gosta sobre o filme?
O filme tem um som estranho, é sobre tantas coisas universais, mas ele também é muito pessoal. Ele discutiu a situação, por exemplo, se você como um artista tem medo de alguma coisa, até mesmo estando em seu caminho, estão bloqueando você e seu potencial não é explorado. Encarnando o papel de Dennis Stock. Para que eu pudesse fazer alguma coisa.
Elas são muitas vezes auto-destrutivo?
Muitos atores as vezes sentem que estão fingindo coisas e um dia percebem que eles não podem interpretar de forma alguma. Esse medo me retém de fazer um monte de coisas que realmente quero fazer. O personagem de Dennis Stock no filme ao invés de acreditar nele mesmo tem, constantemente, encontrado desculpas para o por que de ele não é o certo para o trabalho e nenhum deles é o que queria ser. Então pude me relacionar com isso.
E onde você como ator desenha sua auto-confiança?
Eu parei de pensar nisso e comecei a fazer as coisas de forma simples. As vezes apenas tenho preocupações tardias. Mas um vez que é tarde demais, não importa. Além disso estou sempre ciente de que eu realmente tenho uma incrível diversão.

Você iniciou sua carreira a mais de dez anos atrás. Tempo para uma espécie de currículo interino. Quão satisfeito você está com a sua carreira?
Na verdade, eu estou exatamente onde eu queria estar. Depois de Crepúsculo, eu sabia que isso ai demorar um pouco até a próxima fase da carreira chegar. Mas aos poucos eu chego lá. Claro, eu sempre tento ser um ator melhor, mas isso depende muito do material que já me pediram. É claro que o drama é o original, mas cada diretor oferece-lhe outras opções.

Como você lidou com o fim de "Twilight"?
Eu não fazia ideia do que fazer comigo, então veio a oferta para "Cosmópolis"- virtualmente, do nada, três semanas depois que terminamos de filmar "Twilight". Isso mudou tudo
Você acha que a amizade entre uma estrela de Hollywood e um jornalista ainda é possível hoje em dia?
É claro, mas são difíceis de manter. Quando eu comecei, mesmo antes do primeiro filme de Crepúsculo chegar ao cinema, havia alguns jornalistas que eu gostava. Eles estavam ansiosos para eu ser bem sucedido. Então, você fez um esforço especial em entrevistas, por isso gostaria de esfriar no final. É claro que isso só é possível até certo ponto. Eu tenho tido na minha carreira tantas entrevistas que eu sinto que eu simplesmente não tenho mais nada a dizer. Pelo menos nada de interessante.

 Via// Irmandade Robsten Legacy

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.