domingo, 21 de dezembro de 2014

Letterboxd: Avaliações de The Rover e Maps to the Stars


The Rover

Este filme lento, triste e escuro me lembrou muito de "The Road". É gratificantepara alguém que não se importa uma compilação lenta acima.

Muito vale a pena o tempo.

Sinceramente estou meio bêbado por assistir este filme e escrever esta resenha, então leve tudo com um grão de sal.


Mas eu colocaria isso no top 10ish filmes que eu assisti este ano.

É visualmente atraente, constantemente, mantendo o observador envolvido no caso contrário, o que seria um filme muito chato.

Eu nunca assisti os filmes de Twilight, mas Robert Pattinson é muito melhor do que eu poderia imaginar.


Maps to  the Stars 

Assistindo Maps to  the Stars  eu me tornei ciente de quanto glamour é inerente a este tipo de "contos sombrios de torcidas de Hollywood" narrativas. Filmes como Sunset Blvd., por mais que criticar e brincar com as expectativas de Hollywood, afirmar e apoiar uma espécie de "glamour", isto é, inevitavelmente, Hollywood. 

Quaisquer que sejam os perigos de acabar com a face para baixo morto em piscina de Norma Desmond, ainda meio que quero ir para o seu funeral macaco porque Tiveram as caras então! Não é assim com Maps to  the Stars. Você tem as pessoas ricas e famosas padrão comportando mal (um dos personagens principais é um tipo de análogo Justin Bieber, que é chocante e divertidamente monstruoso), mas nunca, nunca, jamais, é o seu mundo, mesmo que remotamente desejável. Maps to the Stars é feita desta incrivelmente desaturated Hollywood: quartos espaçosos e vazias, branco, drenados de toda a vida possível, quantidades enormes de dinheiro atirado em torno de quase ao acaso, mas para nenhum fim emocional ou prático claro. 

Nada realmente acontece: o envelhecimento da atriz Julianne Moore Havana Segrand pode fazer referências inadequadas ou paquerar desesperadamente com motorista de limusine de Robert Pattinson, mas tudo anéis com uma aura de perda. Hollywood é velho, morrendo em Maps to the Stars, peneirar um peso acumulado de poder, privilégio, assombrado por histórias antigas (muitas vezes literalmente) que ela é incapaz de pôr de lado, pego em uma espécie de pai incestuoso/caso de amor criança (mais uma vez, literalmente, para que haja, fantasmas e incesto, você está comprando um bilhete ainda?). 

Como surreal e mágico como é escuro e inquietante. Os destaques são, de longe, o roteiro de Bruce Wagner, competentemente detalhando um bizarro-Hollywood que se sente como o  nosso próprio, mas também não conhece, e Julianne Moore, rugindo de volta à vida com a paixão e fogo de seu trabalho de 1990, que está desaparecido há algum tempo.


Via//
Irmandade Robsten Legacy Visite nossa Galeria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.