quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Dazed Digital : Rob é mencionado na entrevista de David Cronenberg e Sarah Gadon sobre 'Maps To The Stars'

David Cronenberg e a atriz Sarah Gadon falam sobre a obsessão pelas celebridades e a cultura destrutiva de Hollywood.


*Entrevista Extraída da edição outono/inverno da Dazed: 

O pioneirismo do diretor David Cronenberg leva á máquina da fama em LA no seu pesadelo histérico de Hollywood 'Maps To The Stars', o próprio título referenciando á passeios de ônibus turísticos, gerados pela própria cultura de obsessão pelas celebridades. A atriz canadense Sarah Gadon desempenha uma ingênua na idade do ouro de Hollywood, que retorna como um fantasma da filha da atriz esquecida (uma loiro-branqueada Julianne Moore)que irá atormentá-la, mesmo aparecendo para assombrá-la durante um ménage à trois. Cronenberg nos chicoteia com um conto do showbiz sardônico e tóxico, em um frenesi exagerado onde o elenco - incluindo uma nervosa Mia Wasikowska e um ingênuo Robert Pattinson Ele nivela com sátiras á fama lendárias como The Player (Altman, 1992) e To Die For (Van Sant, 1995) que nos levam a um passo da febre com incesto e traição, com um troféu Globo de Ouro usado como uma arma à mão.

A maneira como você descreve Hollywood é aterrorizante. 

David Cronenberg: Yeah! Recebi telefonemas de pessoas de Hollywood que me disseram que eles estão com medo de voltar a trabalhar agora. A ideia vem do escritor Bruce (Wagner). Eu a amplifiquei e tornei concreta, mas tudo já estava em sua escrita. Ele está assustado com aquele lugar, mas ele calmamente vive lá. Isso é o que eu amo sobre a sua visão. Não é o habitual apocalíptico de LA com ruas assustadoras e caras desagradáveis ​​que iria pular em cima de você para roubar e matar. Nós não vemos nada disso no filme. Você viu algum paparazzi no filme? 

Eu não penso assim ... 


David Cronenberg: Porque não há nenhum! Não há tapetes vermelhos. Temos evitado todas essas coisas para focar nas coisas realmente assustadoras, ou seja, o que é que gostamos de viver todos os dias em Los Angeles quando você está sob esta pressão incrível que de certa forma distorce tudo? Esta pressão de um possível grande sucesso, esta imortalidade de que você consiga se tornar famoso - ela altera todo relacionamento. Isto é enorme em uma pessoa normal, então imagine em uma criança ... Hollywood é incrivelmente difícil para as crianças.

Sarah Gadon: Quando eu assisto Lilith (1964, um filme de Noir com Jean Seberg), eu realmente entendo porque você me escalou. 

David Cronenberg: Este filme em que você faz a mãe da Julianne famosa no meu filme é muito parecido com o filme Lilith com Jean Seberg. E Sarah parece mais com Jean Seberg que Mia (Wasikowska). Eu estava tentando encontrar uma ressonância com toda aquela velha realeza de Hollywood ... 

Sarah Gadon: ... Mas com uma vantagem muito assustadora. 

David Cronenberg: Mas lembre-se, Jean Seberg cometeu suicídio, de modo que a realeza já era assustadora! Hollywood pode ser muito destrutiva. Quem conhece sabe como, mas eu tenho certeza que Hollywood lhe machuca profundamente. E o mais bonito das pessoas é, que o mais destrutivo é isso. 


"Será que Hollywood me faz querer matar alguém? Sim! "- Sarah Gadon

Sarah, você já sente essa pressão? 

Sarah Gadon: Você quer dizer se eu quero matar alguém? Yeah! Eu acho que o lado cruel da indústria de filmografia é mais do que relevante. As pessoas tem, por vezes, medo de dizer isso para a imprensa, mas ele existe. 

David Cronenberg: E desespero. Você pode sentir isso nas ruas. Quando as pessoas estavam gritando por Rob (Pattinson) - há desespero e, por vezes, até mesmo algum tipo de raiva em suas vozes. Portanto, para as pessoas que dizem que fizemos uma sátira, nós dizemos, "Não é uma sátira, é realista." É claro que é apenas uma fatia particular; isso não é tudo, mas dentro de si mesmo, é real. 

O outro elemento horrível no filme é a ideia de envelhecer em Hollywood. 


David Cronenberg: Não pense sobre isso Sarah! (risos) Julianne (Moore) é a única assim. Ela me disse que ela sabe que muitas atrizes que começaram com ela agora se foram. No momento em que tinham mais de 40 anos a sua carreira tinha acabado. Recentemente passei por uma atriz a quem eu tinha trabalhado com 30 anos. Ela me disse: "Ninguém me chama, ninguém quer saber mais de mim."

Sarah Gadon: É tão triste, mas eu tento não pensar sobre isso, porque é difícil conseguir trabalho quando você é um ator, antigo. É sempre uma luta. Manter a ideia de que você deve preservar-se de ser um certo tipo de ator parece-me ser a melhor maneira de falhar. 

David Cronenberg: Isso é o que eu gostaria de dizer para as atrizes: aceite a realidade de quem você é em vez de fazer cirurgia plástica para mudar isso. Então você pode se tornar como Maggie Smith, que está em seu 70 anos e ainda é incrível e trabalhando o tempo todo. 

Sarah Gadon: Não são muitas atrizes que continuaram a trabalhar depois que completaram 40 anos. Olhe para Juliette Binoche! Ela só teve papéis diferentes - mas por que alguém iria querer continuar a desempenhar as mesmas funções? Eu não faria isso. 


Mapas para as estrelas chega ás telas em 26 de setembro


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.