sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Cinemablographer : Review de Still Alice no TIFF


Julianne Moore me surpreende continuamente. Moore oferece dois socos no Toronto International Film Festival deste ano, com o movimento de loucura quebrada de Maps To The Stars e o soco emocional em Still Alice. É impossível comparar as duas performances ou dizer qual merece trazer á Moore grandes elogios no final do ano. Ambos fazem. Cada um se situa em pólos opostos na escala da temporada de premiações cordiais, mas juntos eles mostram que Moore continua na vanguarda de seu ofício, empurrando-se e quebrando barreiras mostrando para atrizes como ela que nenhum papel está fora dos limites. Ela é a campeã interina do TIFF neste ano. 

Ela ajuda, também, com sua volta totalmente devastadora como Alice Howland, uma professora de psicologia que experimenta a doença de início precoce de Alzheimer, chega em um dos hits dorminhocos do Festival. Still Alice é a força emocional de um filme, em primeiro lugar, graças à sutil, sincera e imaculada empatia no desempenho de Moore. Cada pedaço de memória de Alice e cada raio de confusão são palpavelmente claros. Espere ter seu coração despedaçado.

O filme traz para a tela o romance popular e aclamado pela autora/neurocientista Lisa Genova, e a adaptação para o cinema capta muito da notável capacidade de Genova para transmitir as complexidades de Alzheimer, em grande parte graças ao desempenho de Moore. Alice, uma psicóloga que enfoca sobre a forma como a língua interage com a mente, perde-se na doença a um ritmo alarmante. Na primeira vez, uma pausa atrapalha uma das palestras que são a marca registrada de sua carreira acadêmica, mas Alice então se perde enquanto segue sua rota diária. Ela esquece as demais as coisas até que ela esteja fatigada. Para uma mulher que construiu uma carreira na linguagem, perder a capacidade de escolher suas palavras é um passo para a auto-aniquilação.

O romance de Genova tem a vantagem da linguagem escrita para articular os deslizamentos e manchas embaçadas Alice tem experiências enquanto seu cérebro se transforma em mingau. Genova casualmente substitui uma palavra específica como "coisa", ou ela repete passagens para mostrar a perda de memória de curto prazo, que por sua vez coloca o leitor na ansiedade da situação de Alice enquanto ele ou ela viaja através das páginas com uma sensação frustrante de déjà vu. É uma sensação horrível perder-se, por um momento sequer.

Still Alice marca uma bela adaptação do romance de Genova, para mim Glatzer e Westmoreland traduzem fielmente o apelo de Genova para a linguagem e sua capacidade saliente para transmitir em termos acessíveis a gama de devastação que a doença de Alzheimer traz para as partes afetadas. O filme faz algumas mudanças significativas para o romance, para salvar um interrupção do ajuste de Harvard para Nova York, apesar dessa crucial revelação da pasta "Butterfly" de Alice isso desloca a recompensa emocional do romance para outras partes do filme. Still Alice, o filme, revela imediatamente os conteúdos do arquivo para o qual Alice testa sua capacidade mental todos os dias. Genova, por outro lado, lentamente corrói concepção de si mesma de Alice intercalando o romance com exercícios mentais diários de Alice que crescem imperceptivelmente mais curto ao longo que o livro avança. O filme faz isso não por adição de um jogo de corrida em que Alice e sua filha Anna (Kate Bosworth) jogam guerras de palavras em seus telefones e palavras de Alice se tornam mais curtas, mais simples e não-palavras em tudo. 

Os testes constroem a revelação que transporta consequências emocionais significativas. No filme, no entanto, Alice explica tudo no início. O cerne emocional muda, assim, em outras partes da história. Os fãs não devem se decepcionar, porém, porque de Glatzer e Westmoreland trazem uma excelente adaptação do belo romance de Genova e ainda atingem uma catarse emocional extrema.  Espere ver 'falha' em nossas estrelas de alto nível que aparecem desleixadas com lágrimas em breve.

Still Alice, o filme, requer muita exteriorização de Moore, se não de todos, através do sofrimento de Alice. Moore evita tiques e histeria, e ao invés disso encontra a humanidade de Alice e lhe agarra como Alice, primeiro preserva o rosto para evitar estigmatizar a doença. Quando a Alzheimer de Alice torna-se mais grave, porém, Moore faz Alice profundamente humana como ela se recusasse a deixar partir a vida que está sendo levada dela como marcas em um quadro-negro. Ela fica com raiva, confusa, triste e sozinha. As diferenças de desempenho de Moore faz justiça tanto para as pessoas que vivem de Alzheimer (esse louvor é igualmente devido a direção de Glatzer e Westmoreland) e para o público que precisa de apreciar, sentir e, acima de tudo, compreender a experiência de Alice. Comparações com igualmente forte desempenho de Julie Christie em Sarah Polley de Away from Her, parecem inevitáveis, mas ambos os desempenhos atestam a complexidade psicológica e emocional da doença e como as abordagens distintas das atrizes aparecem para forjar seus personagens únicos. 

Still Alice também faz um estudo de ternura comovente da forma como a doença se infiltra além de Alice e sua própria família. O filme realisticamente transmite uma dinâmica familiar em que os membros da família têm abordagens diferentes para a doença com alguma oferta de compaixão e outros revirando os olhos em aborrecimento com a carga que está por vir. Tome por compassivo á sua vez o alheio Alec Baldwin como o marido de Alice, ou por sua vez, a mal-humorada Bosworth como a filha mais velha de Alice, Anna.

O coração do filme, porém, é o relacionamento de Alice com sua filha Lydia. Lydia surge vividamente para a vida graças a Kristen Stewart, que, como Moore, é facilmente uma campeã do TIFF 2014 graças ao seu igualmente forte desempenho nas nuvens de Olivier Assayas com Sils Maria. Stewart cresce fazendo de Lydia uma artista volúvel auto-envolvido em uma figura materna compassiva, ansioso e com vontade de devolver o amor que sua mãe lhe deu quando era criança. Stewart, sem dúvida, nos dá sua performance mais emocional e vulnerável até o momento. Seu monólogo final, em que ela recita o monólogo final, de Alice Harper a partir de ângulos de Tony Kushner nos Estados Unidos, é uma das cenas mais comoventes que você verá este ano. Stills Alice responde com a melhor cena de Moore do filme, que submerge totalmente Alice em sua doença, mas traz à tona o verdadeiro elemento que não pode ser esquecido em um relacionamento entre pai e filho: o amor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.