domingo, 6 de julho de 2014

Olivier Assayas fala sobre atuação e personagem de Kristen em nova entrevista

Neste ponto, é natural perguntar sobre Kristen Stewart e sua personagem Valentine, o filme mais ambíguo e evasivo. Como você escreveu uma figura tão fugaz e indefinida, capaz de desaparecer da cena, mas ao mesmo tempo deixa a indelével marca da ausência do mistério? 

Olivier: Todos os personagens de Sils Maria foram escritos de uma forma muito precisa, mas também modificadas por seus atores. Parte de Valentine foi realmente concebida por Mia Wasikowska - e tenho certeza que até mesmo ela teria funcionado bem - mas quando Kristen pegou (que para ser honesto era a escolha inicial, em seguida, pulou por várias razões e voltou no momento em que Mia foi forçada a sair do filme devido a problemas com um outro contrato de produção ...) assumiu uma nova forma. A ambigüidade da personagem, obviamente, tem a ver com o que eu escrevi, mas também a interpretação de Kristen:  se apropriado de uma sutil inteligência, e eu limitei-me a sugerir a interpretação do personagem como pragmática e quase brutal mas também amorosa. Foi importante para mim ter empatia a Valentine, porque a identificação do espectador contra ela é essencial. Sils Maria na identificação de movimentos move-se continuamente a partir de uma personagem para outra, mas Valentine é tao privilegiada; no sentido de que tenho que sentir mais perto dela do que da personagem de Juliette, apesar da diferença de idade. O que me interessou no seu desaparecimento foi seu eco, sua ressonância: Valentine desaparece da cena, mas por causa disso não tem fim dentro do filme, o espectador pode continuar pensando sobre isso quando sai ... isso é exatamente o que acontece!

Quanto à relação entre o corpo e a ausência, você não acha que o seu filme ao longo dos anos tem sido menos direto e mais físico e discursivo, também por causa da imersão na narrativa televisiva de Carlos? Neste sentido, parece-me que Sils Maria alcança uma síntese delicada entre estes aspectos do seu filme, antropocêntrico, por exemplo, e a narrativa ... 

Olivier: A verdade é que sim Carlos é um filme de TV, mas o filme que eu fiz: em reação ao formato da televisão, de fato, senti a necessidade de me empurrar para o cinema. Eu usei lentes cada vez maiores, porque eu queria filmar paisagens, apartamentos e espaços onde a decoração é crucial. Até então eu só tinha usado lentes longas, com um efeito abstrato, mas Charles me obrigou a abrir o mais possível, abrir, aberir, abrir ... até reinventar a minha relação com o espaço. Desde então, eu não mudei, eu quero filmar com mais perspectiva e ter uma grande presença do corpo na filmagem. Antes de filmar apenas o rosto, eu só estava interessado em pessoas, mas agora filmo todo o corpo em uma forma nova e mais satisfatória para mim. Que tem sido de fundamental importância com Kristen, por exemplo, porque ela usa o seu corpo como uma dançarina. Essa é uma extraordinária mobilidade e modernidade no uso da física, não parece funcionar, mas a maneira em que se coloca em cena é magnética, realmente impressionante.

Para ler o resto da  interessante entrevista Fonte

Via// trad Irmandade Robsten Legacy Visite nossa Galeria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.