segunda-feira, 30 de junho de 2014

Robert elogiado em mais uma Crítica de The Rover

David Michôd é um cineasta / roteirista  fascinante, da minha parte, não sabia que ele era o autor do drama ultra-obscuro “Hesher”, na verdade faz muito sentido quando você olha para os filmes que ele dirigiu.
O suspense de 2010 – “Animal Kingdom” é aos meus olhos uma das melhores performances da carreira de Guy Pearce, foi uma maravilha para a estréia de David como diretor no cinema. Sua colaboração com Pearce me convenceu, assim que, você não pode imaginar minhas expectativas em ver Michôd se reunir com Pearce em “The Rover”.
Enquanto que “The Rover” de fato, é poderoso, com um grande custo emocional, às vezes senti como se este filme estivesse tendo dificuldades em descobrir para onde queria ir. Ao mesmo tempo, andava e parava. Em comparação, “Animal Kingdom” é um filme mais substancial com muitos personagens mais complexos e impenetráveis. “The Rover” simplesmente nos mostra como as pessoas agora têm de empurrar os seus limites e irem além; eu já vi isso antes em filmes melhores e na televisão, no caso (“The Walking Dead”).

10 anos após o colapso da economia mundial, na Austrália, um sem-teto de sangue frio (Pearce), um homem sem nome, vaga pelo interior da Austrália. Um dia, este homem pára em um bar para tomar uma bebida, três criminosos (Scoot McNairy, Tawanda Manyimo e David Field) fugindo, roubam o carro dele para continuar sua fuga. O homem está agora em uma missão para localizar os homens que roubaram sua única posse. Quando se depara com um membro do grupo gravemente ferido (Robert Pattinson), leva o vulnerável e ingênuo jovem como seu cúmplice involuntário, para que possa rastrear o seu carro.
Para o crédito do filme, eu aprecio às vezes o seu tom inquietnte; a composição musical demente (de Antony Partos) desempenha um papel importante neste processo, o design de som agudo deixa muitos corações batendo rapidamente no cinema. Parece que Michôd seguia por uma espécie de ambiente neo-ocidental, um homem sem nome, sem nada a perder, bandidos em cada lugar, os tiroteios nas cidades e paisagens desoladas. Esteticamente o filme funciona muito bem, narrativamente estou no topo, parece tão forte como deveria ser.
No entanto, devo dizer que estou muito impressionado com Robert Pattinson. Nos anos que se passaram desde o último filme de “Crepúsculo”, ele fez um esforço consciente para deixar para trás o personagem galã adolescente, e fazer o seu trabalho como ator sério. Note-sa, de longe, que eleé uma das melhores coisas sobre este filme, já que Guy Pearce certamente pode se fazer de louco, mas esta vítima ingênua que Pattinson interpreta é muito mais complexa do que é o personagem terrível de Pearce.

ViaIrmandade Robsten Legacy 

Visite nossa Galeria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.