sexta-feira, 20 de junho de 2014

Review de "The Rover" na Gambit Mag

Guy Pearce sempre foi um ator de presença com mais profundidade. As performances que ele tem oferecido até agora tendem a ser maioritariamente razoáveis em termos de pura técnica. É difícil pensar em qualquer erro gritante ou embaraçosos que ele tenha feito. E ainda um ar de superficialidade para quase todas as suas performances que o impede de aparecer por muito tempo quando eles estão mais próximos do final. Isso é o que faz a sua parte concisa, fiel ao script em The Rover perfeita para ele em primeiro lugar e, em seguida, surpreendente. Enquanto ele está sendo retratado como um homem cruel INICIALMENTE com pouco mais de um nome e um foco singular para obter de volta o que é tomado dele, sua atuação Gradualmente desenvolve um luto e qualidade genuinamente triste. No final ele está em um silêncio devastador, conseguindo mais que uma presença intrigante ou mística, mas de ressonância real.
 
O mundo que ele habita é aquele que está em algum lugar entre o nosso próprio presente e o de Mad Max. Essa é a Austrália dez anos após a sociedade ter sido tomada e desmontada por um colapso global. Deus e os homens de autoridade existem, mas também não vão fazer nada para poupá-lo do perigo. O cara que dirige o posto de gasolina ou o dono da loja local somente fornecerá assistência, não importa o quão importante, se você comprar algo com dólares americanos, eles são seus companheiros. As boas pessoas mantem seus cães presos em gaiolas, não por serem bravos, mas para protegê-los de ser tomados e comidos.

Pearce interpreta Eric, um homem que vemos bebendo sozinho quando The Rover inicia. Ao mesmo tempo, três homens fogem de uma cena de crime, tendo deixado para trás o líder mais novo, o irmão desamparado do pequeno grupo, sangrando e morrendo na beira da estrada. Quando eles entram em um acidente ao longo do caminho eles só gostam de se juntar á bandidos e aleatoriamente roubar o carro que passa a ser de Eric. Enfurecido, ele imediatamente seqüestra um veículo e os persegue exigindo que lhe devolvam o que é dele. É em vão: no meio de seu confronto um deles o deixa inconsciente e eles fogem de carro.

 
Ele acorda determinado a encontrá-los e se vingar. Derramar sangue na vingança ou pura necessidade parece vir naturalmente sobre ele. Em um dos poucos fatos que ele revela sobre si mesmo, ficamos sabendo que ele era um fazendeiro antes que o mundo fosse arruinado. Ele dispõe de vidas humanas, com toda a precisão obediente e a dureza de coração de alguém que costumava aliviar os animais doentes de sua miséria ou lidar com tarefas ainda mais mundanas. Quando um vendedor de armas se recusa a ceder no preço pedido, ele simplesmente respinga seu cérebro por toda parede do trailer. E, no entanto, nunca é assim tão fácil. "Você nunca deve parar para pensar em uma vida que você tirou. Esse é o preço que você paga para tê-la ", diz Rey, o jovem que foi abandonado ao lado da estrada. Ele o resgata, encontra ajuda médica, mas, em seguida, lhe obriga a liderar o caminho para seu irmão mais velho. The Rover, que já passa um quadro pessimista, torna-se ainda mais quando Rey atira erroneamente numa menina inocente. O peso da culpa por erros terríveis que você nunca pode desfazer é pesado mesmo.

A dinâmica entre os dois homens, uma relação fundamental entre captor e prisioneiro, desenvolve-se sem cair em clichês. Eric primeiro o obriga, e, em seguida, o convence a encontrar seu irmão mais velho. mais, no entanto, neste homem simples do que nossos olhos inicialmente encontram. O mesmo vale para Robert Pattinson e seu estrabismo, gagueiro no desempenho. Parecia uma escolha de elenco estranho, e provavelmente era. Ele é surpreendentemente bom, embora fazendo algo oposto Pearce, interpreta alguém que está mais fora de seu elemento emocionalmente do que fisicamente neste terreno incivilizado sangrento. Pattinson, se expressa com um sotaque característico manso, que faz dele um perdedor amplamente simpático.

Este é o segundo longa-metragem do roteirista e diretor australiano David Michôd após Animal Kingdom em 2010. Eu pensei que isso demorava demais e tropecei ao longo de sua pequena conversa coloquial, apesar de seu elenco excelente e elogiei o filme. Aqui ele sabiamente dispensa longas passagens do diálogo em favor de uma poesia livre de visual niilista desolador. Ele tem um olho impecável para os horrores de uma civilização recuada (a cinematografia por Natasha Braier é impressionante). Os locais do deserto são vastos e desolados, as estradas também são quase vazias, e os postes de telefone salpicados de cadáveres pendurados afora para a crucificação. Ocasionalmente sua direção ainda tem uma dica do surreal, como a visão inexpressiva de um carro girando em um acidente caótico adentrando a janela do bar como Pearce se servindo de outra bebida.

The Rover é um moderno suspense deserto-ocidental e uma distopia não existencialista. O filme também está no limite monótono, desprovido de qualquer humor, e ausente de qualquer mulher (além da médica e uma senhora mais velha misteriosa que não vai cooperar ou se encolher diante de Eric). Ele, no entanto, baseia-se a uma conclusão tensa e desesperada rara. Este é um filme completamente deprimente de uma forma que pode ou não pode funcionar para você. Eu achei que fosse brilhante e muito melhor do que ele tinha o direito de ser, embora eu não pudesse sempre explicar o porquê. A visão de Michôd é brutalmente intransigente, isso é perfeitamente claro. A reação agora misturado ao The Rover pode muito bem ser reavaliada em devido tempo, a seu favor. A evidência está toda lá na sua narrativa deliberada e resistente assombrando o retrato de Pearce, de um homem que se torna absolutamente nada.


Fonte | Tradução :  Irmandade Robsten Legacy Visite nossa Galeria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.