sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Atualizado: Reviews sobre "Clouds Of Sils Maria" e Atuação de Kristen (Atualizado com mais 4 reviews)


Chicdarling

Olivier Assayas dirige este filme sobre uma veterana atriz (Juliette Binoche) que roga assistente (Kristen Stewart) para a ajudá-la quando ela entra em conflito com uma atriz mais jovem e arrogante (Chloe Grace Moretz). Esta é uma carreira melhor para Stewart (finalmente, ela encontrou o papel perfeito para se afastar da personagem do 'Twilight') e ela tem o seu próprio oposto ao Binoche, que é sempre excelente. Eu sei que é apenas o primeiro dia do festival, mas tenho a sensação de que isso vai ser uma das entradas mais fortes no TIFF neste ano. "Um filme não é suposto ter respostas, que deveria levantar questões.", Disse Assayas no Q & A. Suas idéias complexas sobre os filmes, de arte imitando a vida, da vida imitando a arte, a fase da juventude, a passagem do tempo e a necessidade de se adaptar a um mundo em rápida mudança (e um mundo cinematográfico transformando rapidamente) me envolvido totalmente. Cenas de abertura dentro de um trem em movimento são uma masterclass de técnica, e as cenas dos Alpes suíços não são menos poderosos como eles têm uma presença prenúncio.
SweetMelloSuccess
Falando de  cinema bom, o novo filme de Olivier Assayas 'é uma mistura maravilhosa de teatro filosófico, a meditação sobre o envelhecimento, e o grande movimento dos Alpes suíços. É estrelado por Juliette Binoche como uma "mais amadurecida ainda " atriz poderosa, que embate com sua assistente afável (Kristen Stewart, que eu juro que você vai aprender amá-la de novo), e uma outro quente, atriz de cinema jovem (interpretada, sem surpresa, por Chloë Grace Moretz).
FilmSchoolReject
Stewart é magnética, desprovida das afetações amadoras, que atormentavam sua vida no passado (como roer a unha e morder lábio, ou rodopiar as mechas do cabelo). Em "Clounds of Sils Maria" Ela é sexy, confiante e articulada, com jantes de grandes dimensões e vulnerabilidade suficiente para atraí-la. Binoche também é excelente, deslizando na pele de uma mulher com arrependimentos e medos perceptíveis. Sua capacidade de visualização simultânea a saudade e ressentimento de sua juventude é estranho. 
E esse parece ser o terreno Assayas está trabalhando aqui: a área cinzenta entre romance e amizade, arte e consumismo, uma obsessão e uma vocação. Os personagens, como ninguém, lidam com essas incertezas. Isso está excelentemente explorado em uma cena em que Maria e Valentine discutem os méritos artísticos de um filme de super-herói que apenas assistiram. Ambas oferecem o seu som e argumentos coerentes, uma completamente impressionada com a iconoclastia de seu protagonista, a outro incapaz de ver além da estupidez inerente de um blockbuster de desenho animado ambientado no espaço. Raramente vemos esse tipo de consideração séria para os dois pontos de vista - e, por extensão, as conversas profundas sobre o valor do cinema. 
        Ponto alto: Tudo. 
A desvantagem: Os primeiros dez minutos do epílogo, depois resgatados por uma cena final devastadora. 
Vantagem: A grife francesa Chanel forneceu as atrizes roupas, jóias, acessórios e maquiagem, juntamente com a adição ao orçamento, o que permitiu Assayas  filmar em 35 mm. 

AndiePops
Clouds of Sils Maria joga uma luz sobre as mulheres em Hollywood, do mundo e seus aspectos como a idade, sexo e como isso pode afetá-las. O filme é um pouco demais e corre um pouco longo demais e que, na verdade, impede que ele está tentando dizer; é tão inteligentemente auto-conhecimento que ultrapassa o período suas boas-vindas. Independentemente disso, o que Clouds of Sils Maria tem a dizer é motivo suficiente para prestar atenção. Stewart, Binoche e Moretz  fazem três mulheres diferentes de gerações diferentes e todos elas estão em um triângulo de feminilidade, tentando sobreviver no mundo e em Hollywood. Se você mantem-se antenado com cultura pop, fofocas e manchetes, especialmente a das atrizes do filme, você vai desfrutar das referências feitas no filme com muitos momentos de sua fama
Ele também consegue atingir bons momentos graças às performances de Binoche e Stewart. Já foi dito inúmeras vezes agora, mas Kristen Stewart é realmente fantástica nesse filme. Eu tenho sido um fã dela desde o início (e um apologista bem), mas ela finalmente encontrou um papel que funciona para ela e deixaram-na brilhar e ela é realmente boa (e não que isso importe, mas ela também parece tão bem em tudo ). Ela vai de igual para igual com Binoche, que, como sempre, é perversa. Moretz é muito boa e tem uma versao Lohan-maravilhosa de si mesma. 
CinemaBlogger
Clounds of Sils Maria se torna, assim, um dos filmes feministas mais notáveis ​​de 2014 mesmo que seja dirigido por um macho. É um dos filmes mais hábeis e evocativas de Assayas ainda. (A fotografia de Yorick Le Saux deve ser elogiado imediatamente por ser nítida, envolvente e utilizar graciosa da luz natural e ambiente alpino). Este estudo de personagem complicado joga habilmente sobre a arte e a vida como Binoche e Assayas encontrou  a poesia em uma atriz amadurecida reinventando-se para uma parte da qualidade na meia-idade. Maria ainda tem o talento, graça e beleza de seus primeiros anos, mas os papéis oferecidos a ela por sua assistente meticulosa Val (Kristen Stewart) contam uma história diferente. Maria pode fazer aliens, mutantes, ou mães, ou ela pode vender  produtos em comerciais de televisão da América Latina. Isso é sobre ela, a menos que ela queria deleitar-se com comentários do passado e cobrar dinheiro aqui ou ali. 
A oferta surge, porém, quando Maria recebe uma proposta para reviver o papel que fez dela uma estrela. O momento é curioso, já que o filme começa como ela à espera de receber um prêmio para o diretor, cujo papel lançou sua carreira. Sua morte inesperada, no entanto, reacende interesse em seu trabalho, e logo vem uma oferta para Maria para voltar ao palco para Majola Snake, seu papel secundário, mas não em seu papel famoso como o jovem Sigrid e sim como alguém mais velho, Helena . É pedir muito uma atriz para colocar o seu legado na linha e ir de igual para igual com alguém em sua própria parte, mas o papel de uma vida, literalmente, em certo sentido, oferece muito prestígio e incentivo em dinheiro para Maria a diminuir em vez de alguns Hollywood lixo schlocky. 
Clounds of Sils Maria realmente muda a dinâmica da arte e da vida, quando o ator mais jovem, Kristen Stewart, comprova-se a revelação do filme, enquanto partilha o ecrã com uma das atrizes mais aclamados do filme. (Binoche continua a ser a única atriz a ganhar festivais de cinema um Oscar e a tríplice coroa de Melhores triunfos Atriz em Cannes, Berlim e Veneza). Stewart ataca o papel de luxúria emocionante para a vida como Val escavações em caso de Sigrid e Helena e vê sua própria relação de encolhimento com Maria como um paralelo com o jogo. Val, em última análise revela-se o melhor ator dos dois, ela totalmente perde-se no papel do assistente feliz e convence completamente Maria que está tudo bem. Stewart dá uma profunda desempenho em nuvens de Sils Maria e, juntamente com seu trabalho se movendo ao lado de Julianne Moore em Still Alice, faz dela uma das estrelas com melhor desempenho no TIFF neste ano. 
Não tão bem sucedido como provando-se a próxima Juliette Binoche, porém, é Moretz em seu espírito, se completamente mecânico, o desempenho como Jo-Ann. Moretz tem um monte de diversão  atuando como a Lindsay Lohan da hora, mas ela ainda exagera, especialmente quando cortado em comparação ao feito impecavelmente sutil de Stewart. Sua habilidade visivelmente secundário funciona a favor do filme, no entanto, para Jo-Ann acrescenta ingenuidade corajosa para Nuvens de Sils Maria para reforçar os argumentos que Val faz em relação à idade, a experiência e o processo de atuação em seus debates com Maria. 
EverythingZoomer
Definitivamente. Além da química fabulosa entre Binoche e Stewart, a primeira atriz em questão também afundou seus dentes em um roteiro escrito por Assayas, que segundos  notas do TIFF atendeu ao pedido de Binoche para ele " escrever um papel feminino profundo e complexo, e Assayas respondeu com um filme que é ao mesmo tempo urgente e magisterial, investigando sobre a psique feminina por meio não apenas um, mas três mulheres ". 
O Desempenho repleto  de ansiedade de Binoche é maravilhosamente complementado pelo realismo de Stewart, com seus pés no chão, que, quando combinado com o pitoresco cenário suíço, torna-se uma meditação envolvente da idade, a auto-estima e perspectiva. Stewart é atrevida ao defender a personalidade ferrenha da estrela dos tabloides Moretz; é quase como se ela estivesse defendendo sua própria carreira - lançada na estratosfera sobre as costas dos fãs adolescentes de Crepúsculo. Mas, no final, isso realmente é o filme de Binoche. 
Muito bem escrito, ousado e posando perspectivas únicas sobre o  envelhecimento, Clouds  of Sils Maria poderia se tornar um dos maiores sucessos do TIFF. 
O Veredito: Vá ​​assistir. 
Avaliação (de 5): 4,0


Yahoo News:

Interpretando uma assistente de uma atriz famosa. Kristen Stewart deu ao Cannes Film Festival uma performance auto-referencial e imediatamente aclamada no último dia do festival. “Clouds of Sils Maria”, de Olivier Assayas, estreou nesta sexta-feira em Cannes, revelando uma nova dimensão de Stewart, atuando em uma produção europeia ao lado de Juliette Binoche. Como a assistente acorrentada-ao-celular de uma veterana atriz internacional reverenciada chamada Maria Enders (interpretada por Binoche), a personagem de Kristen é cheia de ironias.



Telegraph:

Kristen Stewart brilha em seu melhor papel até o momento, no destemidamente drama inteligente Clouds of Sils Maria, de Olivier Assayas, exibido em Cannes 2014, diz Robbie Collin.



(…)


Mas é Stewart quem realmente brilha aqui. Valentine é provavelmente seu melhor papel até o momento: ela é afiada e sutil, conhecível e depois de repente distante, e uma última, surpreendente reviravolta é tratada com uma leveza de toque brilhante.

(…) Para ajudá-la através deste metafisicamente tempo ensaiando, está a assistente Valentine, interpretada por Kristen Stewart, que entrega uma performance de imensa estabilidade e textura, preservando bom humor na face de um cargo 24 horas, que envolve estar presa na mentalidade profissional de outra mulher. Sua personagem repleta de tatuagens no antebraço, camisetas vintage de bandas e óculos de armação preta e grossa, é alguém que inicialmente parece com uma satírica arquétipo da despreocupada “boneca das Relações Públicas”, e ainda Stewart transmite um ar de pensativa solenidade, raramente explodindo grandiosamente, tentando bastante teatralidades.


Assayas usa as mulheres como um condutor através do qual discutiremos os paradoxos de interpretar papéis que (emocionalmente) podem representar uma situação real na vida do ator, e sua comunicação é complexa, vivida e também frustrada com a suave correnteza de encanto romântico. O diretor também está usando essa mulheres como um tipo de justaposição de gerações; literalmente em seus interesses culturais, gostos e conexões humanas, mas também através de seus estilos de atuação, com Binoche o fazendo de coração, de forma expressiva e apaixonada(aquela risada!) e Stewart mais segura, estudada e relutante em se abrir para a personagem de Binoche, sua chefe piegas. Juntamente com um sub-trama envolvendo a tumultuosa vida de uma jovem entusiasmada estrela de Hollywood e queridinha dos paparazzi(Chloë Grace Moretz), Assayas está fazendo também uma astuta conexão a personalidade de Stewart fora das telas de cinema assim como os papéis em Crepúsculo que a arremessaram pela estratosfera.

(…)

Stewart tem sido uma estranha propriedade durante seu tempo em Hollywood, seus talentos como atriz em sua maioria não testados (ou, melhor colocando, ignorados) na franquia Twilight, apesar de mostrar sinais de promessa em filmes como Adventureland eThe Runaways. Val é um papel complexo na qual a atriz nunca perde sua personalidade da vida real, ao invés de abraçá-la para desenvolver uma dinâmica com a performance mais classicamente comovente de Binoche. As duas começam em um trem para Zurique para honrar o incrível colaborador de Maria, um dramaturgo alemão que escreveu o papel que a tornou famosa, quando descobrem que o homem morreu. Mais do que isso, um jovem diretor espera re-encenar a peça com Maria mais uma vez, não no cobiçado papel da juventude forte, mas como a suicida, sem vontade mulher mais velha.

Variety: 
Val, a hiper-confiável mulher jovem que serve como a inspetora, mãe, terapeuta e companheira de ensaio de Maria. É Val que fala com sua chefe nervosa, sobre trabalhar na nova versão de “Maloja Snake”, arrastando Maria para um estúdio de produção de um filme de super-heróis apenas para ver Jo-Ann Ellis, a irritável jovem atriz (Moretz) escolhida para interpretar o outro papel.

Ensaiando as falas para o filme, Maria e Val podem estar também descrevendo suas próprias cargas sexuais codependentes, já que tão perversamente o diálogo se encaixa na própria dinâmica cada vez menos saudável do par. Ás vezes, Val desculpa a si mesma para visitar um namorado fotógrafo (contudo, uma estranha montagem de viagem pela montanha sugere que ela deve simplesmente precisar espairecer quando a conexão se torna muito intensa), até finalmente, Val parecer que desapareceu totalmente… apenas um dos muitos mistérios entrelaçados neste rico e sedutoramente sem fim, estudo psicológico.

(…)

Mas Stewart é aquela que na verdade incorpora o que a personagem de Binoche mais teme, enfrentando a técnica mais avançada da atriz mais velha com a mesma espontaneidade, energia agitada que a torna uma das atrizes mais convincentes e assistíveis de sua geração.

A maior parte das duas horas de filme é dedicada a cenas com Binoche e Stewart, por vezes com os outros, mas quase sempre sozinhas, então para quem gosta de ver essas duas grandes atrizes batendo de um lado para outro, como seus personagens e lidando com as  inumeráveis questões que cercam uma carreira artística, há muito para ver. Esta é definitivamente uma visão privilegiada, sem olhar para as coisas de uma forma indecente, mas como uma consideração de como essas vidas são direcionadas e como associações passadas continuam a afetar as decisões tomadas no presente.




123 minutos em competição.

[...]
Há alguma interação desviada entre Juliette Binoche (bem como grande dama) e Kristen Stewart (É sempre bom quando encarna o espírito solto do que veio depois da Geração Z). O cenário é lindo. A câmera não cai. Todo mundo se lembra de suas linhas. Infelizmente, tudo isso se sente miseravelmente autêntico e mais que um pouco chato.


[...]
Os paralelos entre o enredo da obra e a relação de Maria com Valentine são demasiado no nariz. Caminham através dos Alpes suíços e andam pelas linhas sem perceber o asseio da coincidência. A maior parte de sua energia é dedicada a mastigar sobre várias lacunas geracionais. As risadas de Maria sobre a aparência de Jo'Ann como uma tola super-heroína épica - aparentemente inspirado no X-men - mas Valentine é mais aberta para assuntos sérios ligados ao projeto. Estas diferenças causam troca ocasional de pederneira, mas em sua maior parte, a tensão entre as duas mulheres é expressa pelo diálogo que elas têm.


Isso importa que o trabalho não pareça real? Que os grandes projetos dos Estados Unidos estão totalmente fora da marca e que um jornalista não se comporta como um jornalista? Um pouco. Um deles está constantemente forçado a sair da ação para fumar sobre o absurdo de tudo isso. Mais grave ainda, o personagem de Jo'Ann fornece um absurdo mau julgamento tomado ao estilo de Lindsay Lohan: demasiado seco, muito autoconsciente, muito estudado. Certamente importa que a metáfora geográfica central - relativa em uma névoa que rasteja em seu caminho ao longo de um vale perto da cidade suíça mencionado no título - isso trabalha até o ponto de exaustão.

Ainda assim, o filme vale a pena pelas performances de K-Stew e J-Bo. São as únicas coisas autenticas em um mar de artifício e má-fé.


The Guardian
A assistente pessoal da atriz , que trabalha com o seu iPhone em uma mão e Blackberry na outra. A relação aqui é muito bem desenhada, com Stewart novamente demonstrando que é uma boa atriz, que pode estar fora da sombra de Crepúsculo. Sentada para jantar em uma cena, despede sua chefe como uma esnobe [que sempre tenta associar com pessoas de maior nível social] e afirma que os filmes de fantasia de sucesso podem ser tão válidos como os dramas sociais em fábricas ou fazendas. Maria arqueia uma sobrancelha delicada. Mais uma vez, ela está convencida.

É imediatamente evidente que essas duas mulheres estão muito próximas, na fronteira de claustrofobia. Maria e Val se amam e vivem juntas, mas a amizade nunca foi igual. O passo de um cigarro para frente e para trás, passamos a testar o jogo antigo para o ponto onde se destaca e define a tensão de funcionamento entre elas. Val, percebemos, é a verdadeira Sigrid neste filme.

Indiewire
Juliette Binoche está destinada para ser sobre-pagadada de agora até o fim dos tempos, mas ela ganhou esse privilégio, e aqui vemos tão sólido que foi bem escrito e bem desenvolvido. Mas não podemos entrar em êxtase, como muitos têm manifestado; além de uma química espumante com Kristen Stewart (abaixo, loucas Krisbians) é implacavelmente egoísta, espiritual, e até mesmo o melhor espelho para interpretar um papel próximo a se identificar com ela mesma diminui o desempenho de Binoche. Como muitas outras dualidades, este filme é definido, ela é experiente, uma atriz realizada que foi convidada a comprometer-se a uma classe de experiência pós-moderna, mas seus talentos consideráveis ​​não são bem servidos por este lado e pode encontrar algumas compras em um personagem tão ilusório.

Estamos tão surpreendidos quanto qualquer um, mas a maior felicitação em desempenho vai para, espero, Kristen Stewart, que apostamos deu o melhor desempenho. (E o filme é lado a lado com Binoche) e realmente conseguiram fazer um diálogo tolo e ingrato muito natural. Talvez porque está fazendo um personagem que não é uma versão de si mesma - embora muitos comentem o filme com a fama de Stewart e seu estilo particular de celebridade, a maior parte faz através de Jo'Ann interpretada por Chleo Grace-Moretz, então Stewart está livre apenas para interpretar um papel e não ser o centro das atenções. Em sua imagem de assistente pessoal de super-star, ela pode fazer observações sobre a natureza dos fãs juvenis e dizer coisas como "há uma abundância de pré-adolescentes de merda, então tome cuidado ", e todos nós podemos rir a base de fãs de 12 anos de 'Crepúsculo', mas ela está fazendo isso de uma distância segura, com um papel que é claramente diferente para ela e que é natural e não forçada.  

Via || Via | Tradução Irmandade Robsten Legacy Visite nossa Galeria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.