segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Entrevista de Kristen para Huffington Post falando sobre OTR e Twilight


Michael Hogan: Lembro de ter lido “On The Road” quando era adolescente, e as mulheres não se registraram para mim tanto como personagens. Então eu me pergunto, como você era uma adolescente quando leu o livro, como as mulheres eram para você quando você leu o livro?

Kristen Stewart: Sim, é engraçado, elas realmente não registraram comigo, também. As pessoas gostam de dizer que este é um livro de menino e que as personagens femininas tendem a ser tratadas como peças de um jogo e são periféricas. Quando você lê o livro, elas tendem a parecer como se estivessem quase como uma ferramenta de Kerouac para mostrar que a vida é louca, que as coisas são selvagens e sexies. É por isso que, no papel, nós estávamos a par de informações que fizeram do filme tão diferente. Eu acho que para conhecer as mulheres por trás das personagens e conhecer as relações de Jack com elas e relações de Neal com elas, que tornou mais fácil para interpretar a personagem.

MH: Você conheceu Luanne Henderson, a quem o seu personagem, Marylou, baseia-se?

KS: Ela tinha falecido, tipo, mesmo antes de começarmos. Mas eu conheci sua filha e havia horas e horas de fitas onde ela lembrava de sua vida em detalhes, e muito dentro desse período de tempo também. Quando comecei a ler o livro- Eu tenho irmãos, e por isso eu sempre me senti como se não houvesse uma distinção enorme. Eu meio que queria ser um dos meninos por um tempo, e em alguns casos ainda quero, e eu acho que há um monte de meninas que lêem “On the Road” que se sentem [dessa forma]. Eu não tinha conhecimento, então, que as mulheres não estavam na vanguarda da história. Eu estava na dos personagens principais, eu estava tão apaixonada por eles, eu queria conhecer pessoas na minha vida que estavam indo para me chocar e tirar algo de mim que eu não esperava.
MH: Marylou é um pouco assim também, não é?

KS: Oh, definitivamente. Ela era uma parceira formidável para Neal [Cassady, a inspiração da vida real para o Dean Moriarty do livro]. Os homens, em especial, gostam de comentarem comigo, “Bem, você sabe, é uma espécie de ponto de vista misógino. O livro tem uma sensação bastante machista a ele. Como você se sente sobre isso? ‘

MH: Tipo a minha primeira pergunta.

KS: Não, não, não. Nem um pouco. Foi realmente muito diferente. Porque quando eles perguntam é, ‘Oh, como eles poderiam ter permitido todas aquelas coisas terríveis acontecer com eles?’É tipo, o que os faz pensar que eles não eram igualmente parceiros naquilo? O que faz você pensar que tiraram mais delas mais do que as foi dado, ou mais do que elas ganharam em troca dos homens que aparentemente foram tirados delas. Eu me sinto como se conhecesse Luanne e quem ela era, e por que ela fez as coisas que ela fez, e como ela se sentia sobre eles depois, não houve roubo acontecendo. Ela amava sua vida de tal forma que ela não queria privá-lo dessa vida, e ele sentia o mesmo sobre ela, e ela esculpiu o seu próprio caminho.

MH: Qual foi a coisa mais surpreendente que você aprendeu quando estava falando com essas pessoas e ouvindo as fitas?

KS: Eu acho que a coisa mais surpreendente para mim, dada a forma como enredo [de Marylou] termina no livro e no filme, foi a de que [Luanne e Neal] mantiveram sua relação em alguma capacidade até sua morte. Ele nunca poderia deixar de voltar para ela. E isso para mim era como uma espécie de chave. Ela não estava o deixando. Era só tira essa de vida que você vê que não está exposta em cima, porque não é a sua história. Tipo, há todo um “On the Road” para cada um desses personagens. É só que quem você tem de seguir é Sal e Dean. [Sal Paradise é o fictício stand-in para o autor Jack Kerouac. ]

MH: Obviamente, te pediram para viajar para poder fazer este papel. Depois que eu vi “On the Road”, em Toronto, eu escrevi uma análise do mesmo, e uma das coisas que eu foquei é que você está interpretando o papel em um grau admirável, com a nudez, dormindo com dois homens ao mesmo tempo, com todas essas outras coisas, e algumas pessoas me atacaram, dizendo: “Só porque ela tira a roupa, você acha que é arte de verdade?” Mas o que eu quis dizer é que é o trabalho de um ator para fazer o papel, que ela fez sem reservas. Pode me ajudar a me defender um pouco aqui?

KS: [Risos]. Atrizes gostam de se levantar e dizer, depois de terem mostrado seus seios em um filme, que foi feito com muito bom gosto e que era, você sabe, longe de ser gratuito. Quer dizer, projetos que realmente necessitam disso são realmente poucos e distantes entre si. E eu acho que, neste caso, é necessário. Este livro celebra estar vivo e celebra o ser humano, e se você quer cobrir-se e negar qualquer aspecto disso, você está negando o espírito do livro. Eu acho que teria sido tão errado tirar qualquer coisa desse filme. Eu acho que eu teria recebido críticas por isso. Eu acho que teria sido a de que eu estava com medo de decepcionar os meus fãs de “Twilight” ou algo assim.

E eu também odeio quando as pessoas falam, “Oh, wow, grande desempenho. Tão corajoso.” Ah, porque eu estou nua? Isso é muito chato. Mas, ao mesmo tempo, se é isso que eles estão focando, em seguida, “On the Road” provavelmente não é para eles de qualquer maneira. Além disso, eu entendo quando as pessoas já são bem sucedidas, você tentar controlar alguma percepção ou tentar escolher peças com base em alguma expectativa de que as pessoas vão pensar. Você está claramente fazendo as coisas, porque você quer estar em uma posição de poder e fama, que não é por isso que eu faço o que faço. E gente, qualquer pessoa que consome isso, então, obviamente, vai pensar que você deve ter alguma consideração para esses tipos de coisas, como o que as pessoas vão pensar.

MH: Mas como é que é difícil ignorar essas considerações quando você realmente é uma das maiores celebridades do mundo? Quero dizer, não há nenhuma maneira de contornar isso.

KS: Não é realmente difícil. Eu não posso de forma pragmática aproximar nada em termos da minha carreira. Eu preciso estar tão abalada por alguma coisa, então movida por algo que a idéia de deixá-lo para baixo ou arruiná-lo é dolorosa, e isso é o que você recebe através da filmagem. Você leu o material e provoca você, em algum nível, e a razão de fazer o filme é descobrir por que fez você sentir todas essas coisas. Essas coisas são tão raras de encontrar que se você começa também a considerar o que as pessoas vão pensar, você nunca vai fazer um filme.

MH: No Festival de Cinema de Toronto, você levou uma hora para sair e estar com todos os seus fãs, e isso foi em um momento difícil. Quão importante foi para você sair para o filme e se reconectar com seus fãs naquele dia?

KS: Você nunca deve sair de sua vida e olhar para ela como é essa coisa maleável que você pode moldar para que as pessoas a vejam de determinada maneira. Eu nunca teria feito algo assim. Venho trabalhando nisso há cinco anos. Eu amo este filme. Estou muito orgulhosa de todos os envolvidos- Eu me sinto tão forte de pé ao lado deles. Perguntaram-me algumas vezes se eu estava indo para fazê-lo ou, “Oh, foi difícil para você? O que fez você se levantar e fazer isso?” Era como se, por que não eu? Ele fez muito sentido para mim. Quer dizer, a única vez que eu me sinto confortável estar na TV ou fazer qualquer tipo de aparição pública ou qualquer coisa, tem de ter contexto. Eu não gosto de ser apenas uma pessoa famosa, mas com “On the Road” é tão claro porque eu estou lá. Com os fãs e outras coisas, é apenas energia humana que você simplesmente não pode negar. As pessoas estão ali e gritando para você e eu não estou prestes a virar as costas e ir embora, você sabe o que quero dizer? Então, eu não planejei nada. Eu só fui para a abertura do filme e havia um monte de gente lá e foi muito bom vê-los.

MH: Os seus fãs de “Twilight” já comentaram com você sobre “On The Road” ?

KS: Quero dizer, não realmente. “Breaking Dawn 2″ acabou de sair e nós o divulgamos um pouco pelo mundo. E havia um monte de gente no meio da multidão na Europa- porque o filme já saiu na Europa- que disse: “Oh, meu deus, ‘On the Road, nós amamos.” Todo mundo gosta de pensar que só temos fãs adolescentes- temos as meninas, as mulheres em geral, ele é literalmente todas as idade. Então, sim, as pessoas gostaram do filme, eu acho.

MH: Qual é o seu sentimento em relação a temporada de premiações e todos os eventos e entrevistas que ela implica? É agradável? É um pesadelo? Está no meio disso tudo?


KS: Eu adoro falar sobre esse filme e todos os envolvidos e o livro e tudo o que eu já passei desde o início do mesmo. Eu faria qualquer coisa para passar a palavra. O fato de que ele tem algo a ver com a Academia, eu simplesmente, pessoalmente, não poderia reconhecê-lo de qualquer maneira, porque é uma idéia ridícula.


MH: Há um boato de que você irá atuar ao lado de Ben Affleck em um filme chamado “Focus”.

KS: Eu posso confirmar esse rumor. É uma comédia, eu estou realmente animada com isso, nós começamos a filmar em abril.

MH: Existem outros projetos no horizonte?

KS: Ainda não. Eu gostaria de encontrar algum microprojeto antes, porque abril é um pouco distante, mas não ainda, nada que ainda tenha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.