domingo, 2 de janeiro de 2011

Amanhecer de Edward Cullen- Capitulo 10

Segunda lua de Mel - O Chalé

Essas últimas semanas de estresse contínuo quase acabaram comigo. Ver Bella,

“minha vida”, quase se acabando enquanto carregava o fruto de nosso amor em seu

ventre foi algo que nunca imaginei. De início pensei em acabar com tudo de uma forma

ou de outra, pensava em inúmeras saídas e fins para tudo o que estávamos passando,

mas no dia em que ouvi nossa pequena Renesmee, ainda em seu ventre, percebendo que

eu a entendia e que ela me entendia, a minha perspectiva foi mudada quase que

instantâneamente. Percebi, naquele momento que de alguma forma ela poderia ser salva,

poderia ficar comigo, para sempre, que formaríamos a nossa família.

Nossa família... Eu ... Edward Cullem ... papai ... incrível! Bella ... mamãe ...

extraordinário! Nós ... pais de uma bebê linda, uma mistura perfeita de nós dois.

Quem poderia imaginar que um vampiro poderia ser capaz de gerar uma vida,

que poderia ser pai e não criador de outro ser! Lembrei das palavras de Charlie quando,

no momento em que o informamos da decisão do casamento, pensou que Bella estivesse

grávida, e da minha reação quando disse a Bella que gostaria que isso um dia pudesse

ser verdade, que fôssemos capazes disso. E isso aconteceu. Foi muito difícil, pensei que

a havia perdido, que a injeção de meu veneno em seu coração não fosse suficiente para

salvá-la ...

Depois de quase três dias de pura agonia enquanto aguardava ao seu lado,

incansavelmente, para ver se o que fiz, se o fato da injeção em seu coração a curasse,

desse certo, finalmente nossas vidas, se é que podemos nos dizer vivos, está se

tranquilizando, se tornando um pouco mais “normal”.

Agora, somos como iguais, somos da mesma espécie, como ela sempre quiz.

Caçamos juntos, o que foi uma experiência estranha para mim ... vê-la caçando

me trouxe um mixto de excitação-medo-realização que confundia meus pensamentos,

vê-la lutando com animais ferozes não era normal para mim, na verdade, para mim ela

sempre será delicada e frágil. Acho que nunca poderei vê-la como uma vampira forte,

resistente ... ela sempre será a minha Bella e eu terei sempre a obrigação de protegê-la.

Ela me olhava e eu via em seus olhos que a paixão, o desejo e o amor que

sentíamos estava presente, e com mais intensidade (será que isso era possível?).

Estávamos nos adaptando a essa nova vida. Ela ficou perfeita, linda, ainda exalava o

mesmo perfume que me enlouquecia, sua pele ainda quente trazia uma eletricidade mais

intensa ao toque.

Enquanto corríamos com Alice, para que Bella recebesse nosso presente de

casamento, eu observava cada movimento que ela fazia enquanto nossas mãos estavam

entrelaçadas e Alice empoleirada em suas costas tapando seus olhos para que a surpresa

fosse completa.

– Só mais alguns segundos, Bella. Então ela vai amolar outra pessoa. – Disse, puxandoa

em direção ao nosso Chalé.

– Você pode valorizar isso um pouco mais. – Alice me reprovou – Isso é tanto para você

quanto pra ela.

– Verdade. Obrigado de novo, Alice. – Disse, enquanto sorria para minha irmã.

– Certo, Certo. Ok. – Disse Alice, entusiasmada quando estávamos perto do Chalé –

Pare ali. Vira ela só um pouco para direita. Sim, assim mesmo. Ok. Você está pronta? –

Disse Alice a Bella, que parecia tranquila, mas como eu bem a conhecia, via por trás

de suas palavras uma curiosidade nascendo.

– Eu estou pronta. – Bella começou a sentir os aromas que brotavam da terra, das

rochas e de tudo que circundava-nos ao inflar suas narinas. Assim que Alice saiu de

suas costas, Bella pareceu maravilhada com o que via, com os olhos expressivos olhou

para a sua mão que segurava a chave de nossa casa.

– O que você acha? – disse Alice com sua voz suave.

Bella abriu a boca mas não disse nada. Alice, em seus pensamentos estava

preocupada e me dizia “Será que acertamos? Será que ela vai gostar? Todos estavam

preocupados, não tivemos muito tempo para preparar algo muito especial. Esme

trabalhou tanto ...”

– Esme achou que nós íamos gostar de ter um lugar nosso por um tempo, mas ela não

queria que fosse muito longe. – Sussurrei no ouvido de Bella. – E ela ama qualquer

desculpa para renovação. Este pequeno lugar está desmoronado aqui por pelo menos

cem anos. – Mas Bella continuava sem falar nada.

– Você não gosta? – Alice ficou triste e começou a se justificar. – Quero dizer, tenho

certeza que a gente pode arrumar diferente, se você quiser. Emmett queria adicionar

alguns milhares de metros quadrados, um segundo andar, colunas, e uma torre, mas

Esme achou que você gostaria mais do jeito que era para ser. Se ela estava errada, nós

podemos voltar ao trabalho. Não vai levar muito tempo para...

– Shh! Você está me dando uma casa pelo meu aniversário? – Bella finalmente falou.

– Nós. – Corrigi. – E não é nada mais que uma casinha de campo. Acho que a palavra

casa implica mais espaço.

– Não desvalorize minha casa. – Ela me disse.

Nesse momento Alice se iluminou, a tranquilidade pairava por ela. “Ela gostou!!! Esme

ficará tão feliz, Edward”. Eu assenti discretamente.

– Você gosta da casa. – Disse Alice, mas Bella sacudiu a cabeça negativamente, com

um sorrizo discreto no canto da boca. – Ama ela? – Bella sacudiu a cabeça

positivamente sorrindo. –Não posso esperar para contar para a Esme!

– Por que ela não veio? – Perguntou Bella, não entendendo ainda que este seria o nosso

momento, um tempo para nós.

– Oh, você sabe... eles todos recordam como você é sobre presentes. Eles não queriam

te colocar sob muita pressão para gostar. – disse Alice suavemente.

– Mas claro que eu amo. Como não poderia?

– Eles vão gostar disso. Então, o seu armário está estocado. Use com sabedoria. E...

acho isso é tudo. – disse Alice saindo de fininho.

– Você não vai entrar? – perguntou Bella.

– Edward conhece tudo. Vou dar uma passadinha... mais tarde. Me liga se não conseguir

combinar as roupas certas. Jazz quer ir caçar. A gente se vê. – Disse Alice enquanto se

afastava pela floresta. “ Ajude-a com o Closet, tenho certesa que ela precisará.

Rsrsrsrs Espero que vocês sejam muito felizes aqui. Você merece irmão. Amo vocês.”

– Isso foi estranho. Eu sou tão mal assim? ... Eles não precisavam ficar longe. Agora me

sinto culpada. Eu nem sequer agradeci direito. ... Nós deveríamos voltar, dizer para a

Esme...

– Bella, não seja boba. Ninguém acha que você é tão irracional.

–Então o que...

– Tempo sozinhos é o outro presente deles. Alice estava tentando ser sutil sobre isso.

– Oh. – Disse Bella, entendendo nesse momento o que tudo isso significava.

– Deixa eu te mostrar o que eles fizeram. – Disse, puxando sua mão e sentindo toda a

atmosfera que nos circundava, observando o rosto de Bella mundando várias vezes,

suas reações eram novas e ela sorriu.

– Eu vou escutar a piada? – Não conseguir ler seus pensamentos ainda me deixava

frustrado. Pensei que depois da transformação isso se resolveria, mas ao contrário, só

aumentou minha frustração.

– Não é uma muito boa. – ela disse enquanto íamos em direção à porta de nosso Chalé.

– Eu só estava pensando, hoje é o primeiro e o último dia do para sempre. É meio que

difícil envolver minha cabeça nisso. Mesmo com todo esse espaço extra envolvente. –

Rimos juntos enquanto eu lhe dava as honras ao estender minha mão em direção a

maçaneta da porta.

– Você é muito natural com isso, Bella; eu esqueci quão estranho tudo deve ser pra

você. Eu queria poder escutar. – Disse enquanto a erguia em meus braços para levá-la

para dentro.

– Hei!

– Os pisos da entrada são parte descrita do meu trabalho. Mas estou curioso. Me conte o

que você está pensando agora. – Abri a porta e entramos.

– Tudo. – Disse ela. – Tudo ao mesmo tempo, você sabe. Coisas boas e coisas para me

preocupar, e coisas que são novas. Como eu continuo usando tantos superlativos na

minha cabeça. Agora mesmo, estou pensando que Esme é uma artista. É tão perfeito!

Bella observava tudo intensamente enquanto eu a olhava, ainda maravilhado e

encantado por tudo que ela fazia. Sentia seu cheiro e a desejava mais, a cada minuto que

ela estava em meus braços, com sua boca a centímetros da minha. Fui caminhando pelo

Chalé mostrando cada cômodo para ela, como fiz na Ilha de Esme.

– Nós somos sortudos, por que Esme pensou em adicionar um quarto extra. Ninguém

estava planejando a Ness ... Renesmee. – Quase escorreguei ao mencionar o nome de

nossa filha, e ela não gostou.

– Você também não. – Ela reclamou.

– Desculpe, amor. Eu escuto isso nos pensamentos deles o tempo todo, você sabe. Está

ficando comigo. – Ela aceitou, mas vi que ela não gostava.

– Tenho certeza que você está morrendo para ver o armário. Ou, ao menos eu vou falar

para a Alice que você estava, para a fazer se sentir bem. – é claro que eu não perderia

um segundo a levando para dentro de um Closet, quando na verdade queria era tê-la

nesse momento.

– Eu deveria estar com medo?

– Apavorada.

Continuei mostrando nossa casa a ela, passando pelo corredor até chegarmos

onde será o quarto de Renesmee.

– Aquele será o quarto da Renesmee. Eles não tiveram tempo de fazer muito com ele,

com os lobisomens bravos... – Ela sorriu.

– Aqui está nosso quarto. Esme tentou trazer um pouco da sua ilha aqui para nós. Ela

adivinhou que estaríamos ligados com o quarto. – Finalmente chegamos. Nosso quarto

era parecido com o da ilha, e tive certesa que ela gostou.

– Oh. – Foi tudo que ela conseguiu dizer.

– Eu sei. – Ficamos olhando para nosso quarto em silêncio por alguns momentos.

Eu lembrava de cada detalhe da nossa primeira noite e ela parecia fazer o

mesmo. A eletricidade voltou a se intensificar e nossa respiração acelerou ao mesmo

tempo.

– O armário é por aquelas portas duplas. Devo te avisar, é maior que esse quarto. –

Sorri. Tendo certesa que isso a assustaria.

– Nós vamos falar para a Alice que eu corri direto para as roupas. – Bella sussurrou

enquanto entrelaçava seus dedos em meus cabelos e me fazia tremer ao seu toque. –Nós

vamos falar que eu passei horas brincando de me trocar. Nós vamos mentir.

Depois disso não consegui mais segurar minha vontade de tê-la novamente.

Puxei seu rosto de encontro ao meu, sentindo sua boca e seu hálito na minha. Isso me

enlouquecia. Nesse exato momento todas as barreiras foram postas ao chão e nos

entregaríamos novamente, mas de uma forma mais intensa e libertadora, eu poderia

mostrar a ela toda a intensidade do amor que sentia por ela, toda a força desse amor,

sem medo de machucá-la. Um gemido de excitação surgiu de dentro do meu peito a

deixou excitada. Seu corpo tremeu e ela me puxou para mais perto.

Num impulso que agora me permitia rasguei o resto de suas roupas e ela fez o

mesmo com as minhas enquanto rolávamos no chão do quarto. Queria levá-la para a

cama mais não conseguia impor minhas vontades ao desejo. Queria tê-la agora.

Bella, desinibida, olhava meu corpo nu e eu via em seus olhos o desejo, ela

agora me via realmente, ela traçava com suas mãos cada centímetro de meu corpo. Sua

língua umedecia seus lábios demonstrando o desejo que ela reprimia. Aos poucos ela foi

se deixando levar e começou a sentir a textura de minha pele com a boca. Beijava todo

meu rosto intensamente.

– Antes da transformação ... sua beleza ... seu cheiro já me deixavam maravilhada, tonta

... mas ... agora vejo que eu estava cega ... Você é muito mais do que eu podia ver ou

sentir... E sei porque ... – Ela gemia enquanto falava e me tocava e eu também.

– Por que? – Perguntei.

– Por que humano nenhum teria condições física e emocionais de aguentar dentro de si

tamanhos sentimentos ... nem teria como desfrutar de tanto desejo ... É algo

inimaginável ... Eu te amo de uma forma tão incrível que não consigo demonstrar ... A

vontade que tenho é de nunca mais deixar ... de te tocar ... Acho que isso me faria muito

mal, acho que não sobreviveria ... É algo louco e impossível ... Eu te amo Edward

Cullen e isso não parece suficiente ... Eu te quero muito, intensamente. – Bella ia me

descrevendo a intensidade do amor que ela sentia por mim, e eu ia percebendo como

nos sentíamos iguais, completos.

Nos beijamos mais ardentemente. Ela segurava meus cabelos e eu os dela. O

medo de nos machucarmos não exisita. Só desejo. Suas pernas me circundavam e eu

sentia o calor que seu corpo emanava, me molhava.

– Eu te amo Bella ... Minha Bella ... Te desejo ... Percebe agora como era difícil para

mim ... me conter? Percebe agora a luta que eu travava dentro de mim ao te tocar...

sentir através da sua boca ... o aroma ... o desejo me tomando e ao mesmo tempo tendo

que conter a vontade louca de tirar suas roupas ... de sentir cada centímetro do seu corpo

nu no meu ... e tê-la como minha a cada minuto em que estávamos juntos? ... Isso me

enlouquecia ... Eu tentava manter uma distância mínima ... mas eu era viciado em você

... precisava ter todas as minhas noites ao seu lado ... mesmo sob nossas roupas podia

sentir suas curvas, mas não podia tocá-las. – dizia isso enquanto acariciava seu corpo

nu e ela fazia o mesmo.

Antes eu era o mais ativo nas atitudes, mas hoje não. Ela era forte, ainda não

conseguia conter sua força e eu gostava. Ela apertava nossos corpos um contra o outro a

cada palavra que eu pronunciava. A cada toque a eletricidade ia se intensificando e o

desejo ficando insuportavelmente intenso. Ela gemia alto e eu também. Seu toque no

meu sexo me tomou de forma impossível. Ela gemia de prazer e eu também.

– Você é minha! ... Minha fêmea! ... Minha mulher! – Minhas sombrancelas se uniram

e eu rugi alto desesperadamente ao tocá-la com minha mão entre suas pernas.

O aroma e o sabor dela que senti na minha boca ao tocá-la quando estávamos na

ilha ressurgiu de forma intensa, e isso me pegou de surpresa, depois de semanas de

abstinência de seu gosto e sua essência em meu corpo. Ela arcou seu corpo me pedindo

mais. Senti meu corpo querendo ela. Com ela ainda de pé, minha língua percorria seu

corpo, pelo seus seios, onde senti sua textura macia, sua barriga, agora lisa e plana, suas

coxa firmes. Minhas mãos seguiam o caminho de tijolos de ouro. Abri suas pernas para

sentir de onde vinha seu aroma e sabor. A fonte de toda a minha felicidade, a fonte do

aroma de minha fêmea e que me embriagava ... como era delicioso ... a transformação

não mudou em nada seu Ser, sua essência, seu nectar ... o “meu nectar” de prazer e de

vida. Sem isso eu não sobrevivo ... sem a essência dela não sobrevivo!

Derrubei-a no chão e com a minha língua fui sentindo sua pele, meus olhos

percebendo cada cantinho, meus lábio beijando e sugando seu sexo de forma frenética e

intensa. Ela gemia e grunia alto. Sem ter vergonha, sem escrúpulos. Se entregava a mim

loucamente. Eu apertava seu corpo em direção ao meu rosto desesperadamente e ela

fazia o mesmo entrelaçando suas pernas em meu pescoço enquanto gemia. Ela gritava

mais alto quando o orgasmo a tomava e seu corpo umedecia mais, me dando mais uma

dose do extrato de seu corpo me enlouquecendo mais. Levei-a para a cama,

desarrumando com lençóis para que ela ficasse mais confortável. Ela puxou meus

cabelos e me beijava enquanto suas pernas me circundavam e suas mãos me tocavam.

Deixei ela me tocar e ver o que ela queria. Isso me excitava, vê-la tomando a

dianteira, fazendo o que desejava. Bella beijava o meu corpo todo, numa velocidade

incrível. Ela não se continha. Queria tudo ao mesmo tempo. Ela beijava, lambia e

sugava meu sexo freneticamente, me deixando louco. Eu grunia de prazer e ela gostava.

Queria proporcionar isso a ela também. Gememos juntos do prazer louco que nós

sentíamos. Trouxe seu corpo para cima do meu e recomecei a toca-la entre suas pernas,

ela gostou muito. Minha língua a percorria de forma lenta e intensa. De um lado para o

outro. Minhas mãos a abriam mais para eu apreciá-la. Meu nariz sentia de perto seu

cheiro. Esfregava meu rosto nela ... Era enlouquecedor tudo que eu queria e fazia com

ela ... algo incontrolável.

Precisava dela, precisava sentir seu calor me circundando e ela também. Deitei-a

na cama, afastei suas pernas e pressionei meu corpo conta o dela, olhando-a nos olhos e

vendo o fogo vermelho de seus olhos queimando de desejo. Senti meu corpo seguindo o

caminho da felicidade. Quando senti o toque foi algo surreal. Nos tornamos um só. Seu

corpo circundava o meu de forma perfeita, encaixávamos de forma perfeita. E ela

gostava ... muito ... gemia de prazer ... urrava loucamente enquanto eu acelerava o ritmo

da penetração chegando ao orgasmo. Ela não cansava e nem eu. A penetrava mais e

mais. Queria tê-la mais perto. Puxei seu corpo de forma que ela tinha suas pernas me

circundando e a pressionei à parede, batendo nossos corpos e não era suficiente,

queríamos mais, ela gritava querendo mais, tinha orgásmos múltiplos e queria mais ...

tínhamos orgasmos juntos e era delicioso. Nossos olhos se reviravam ... Todo desejo

reprimido foi libertado. Ela não desenlaçava suas pernas, subindo e descendo sem parar.

Voltei para a cama e me deitei com ela sobre mim ... e ela gostou disso. Ela se

contorcia sobre mim, dançava enquanto seguia no ritmo de penetração estipulado por

ela e eu gostava ... adorava ... gozava de prazer mais uma vez. Ela arranhava meu peito,

segurava minhas mãos a precionando sobre a cama ... me dominava ... mostrava seus

dentes e grunia, puxava meus cabelos enlouquecidamente, curvava seu corpo quando

mais um orgasmo chegava e via que meus lábios umedeciam junto com ela, e quando

isso acontecia eu sempre queria mais.

Com ela encaixada a mim, sem falar, nem pedir, nem comunicar, levei-a para

nossa piscina particular. Fizemos amor ali também, penetrando nela mais e mais.

Mergulhei e segui para entre suas pernas. Adorava proporcionar a ela esse tipo de

prazer, ouvia, mesmo sob a água, seus gemidos. Trouxe seu corpo para superfície

colocando-a na borda da piscina. Bella percebeu logo meu vício, e resolveu brincar um

pouco com meu desejo. Ela com as pernas afastadas, segurava meu rosto perto de seu

sexo, me impedindo de tocá-la ... essa distância me deixava louco! Eu a olhava e lutava

contra ela, puxava seu quadril mas ela não permitia. Eu grinia querendo mais mas ela

não deixava ...

– Por favor ... Quero sentir você na minha boca! – eu grinia e gritava para ela,

implorando.

– Não! – Ela sorria, um sorrizo malvado, exitado.

– Porque? Eu quero! Quero você! Preciso! Não sei viver mais sem ter você ... Por favor!

– Eu implorava cada vez mais e não me envergonhava disso, queria que ela tivesse a

certesa de que eu pertencia a ela e faria tudo por ela, tudo para ter mais dela.

– Vamos ver até quanto você aguenta ...

– Não aguento ... De deixe tocá-la, não faça isso comigo ... Preciso de você e não

preciso de mais nada nesse mundo! – Ela sorriu e me deixou beijar suas pernas.

Foi se afastando da beirada da piscina e eu fui a perseguindo me restejando. Isso

me deixou mais doido. Quando consegui alcançá-la, a trouxe para mais perto, grunia

quando ela gemia, meus olhos se reviravam, perdia o foco de tudo. Eu a lambia, sugava

e mordiscava enquanto minha mão, meus dedos a tocavam também. Como num frenezi

louco a tinha sem parar. A sensação de sentir o seu orgasmos na minha boca era algo

louco ... desejável ... frenético. Eu precisava disso! Me agarrava entre suas pernas

quando isso acontecia. Tocava seu corpo todo com minhas mãos e minha boca. Como

isso era possível? Ela enlouquecia de prazer também. Me encaixei mais uma vez nela e

ela dançava em mim nos orgasmos.

Quando isso terminaria? Nunca, se dependesse de mim, e acho que nem dela.

– Você sente falta? – Bella me perguntou num momento em que relaxamos e ficamos

quietinhos, um olhando nos olhos do outro.

– Falta do que? – Perguntei confuso, não sentia falta de nada, exatamente nada, tinha

tudo pelo que lutei e esperei por mais de 100 anos.

– De tudo ... o calor, a pele macia, o cheiro saboroso... eu não estou perdendo nada, e eu

imaginei se era um pouco triste para você por estar. – Bella me perguntou e eu sorri.

– Seria difícil encontrar alguém menos triste do que eu estou agora. Impossível, eu

duvido. Não são muitas pessoas que conseguem todas as coisas que eles querem, mais

todas as coisas que eles não pensaram em pedir, no mesmo dia.

– Você está evitando a pergunta?

–Você é quente. – Disse enquanto tocava seu rosto. – Você é macia. – Disse enquanto

meus dedos percorriam seu corpo. – E pelo cheiro, bem, eu não posso dizer que sinto

falta daquilo. Você lembra do cheiro daqueles escaladores na nossa caça?

– Estou tentado muito não lembrar.

– Imagina beijar aquilo. – Era uma forma simples de demonstrar a ela um décimo do

que eu sentia.

– Oh.

– Exatamente. Então a resposta é não. Estou puramente cheio de alegria, porque não

sinto falta de nada. Ninguém tem mais do que eu tenho agora. – E a beijei mais uma

vez.

– Quanto tempo isso dura? Quero dizer, Carlisle e Esme, Emm e Rose, Alice e Jasper,

eles não passam o dia todo trancados no quarto. Eles saem em público, completamente

vestidos, o tempo todo. Este... desejo passa?

– Isso é difícil de dizer. Todo mundo é diferente e, bem, até agora você é a mais

diferente de todas. O vampiro jovem normal é muito obcecado com sede para notar

qualquer outra coisa por um bom tempo. Isso não parece se aplicar a você. Com o

vampiro normal, entretanto, depois daquele primeiro ano, outras necessidades surgem.

Nem sede ou qualquer outro desejo realmente desaparece para sempre. É simplesmente

uma questão de aprender a equilibrar eles, aprendendo a priorizar e gerenciar...

– Quanto tempo?

– A Rosalie e o Emmett foram os piores. Levou uma década sólida antes que eu pudesse

ficar a milhas de distância deles. Até o Carlisle e a Esme tiveram dificuldade digerindo

isso. Eles chutaram o casal feliz para fora eventualmente. Esme construiu a casa para

eles,

também. Era mais grandiosa que essa, mas então, a Esme sabia o que a Rosalie gostava,

e ela sabe o que você gosta. – disse sorrindo para ela.

– Então depois de dez anos todo mundo é normal de novo? Como eles são agora? –

Bella continuava no seu interrogatório.

– Bem, não tenho certeza o que você quer dizer com normal. Você tem visto minha

família continuando com a vida de um jeito bem humano, mas você tem dormido a

noite. – Sorri e dei uma piscadinha para ela. – Tem um tremendo tempo de sobra

quando você não precisa dormir. Isso nos faz equilibrar nossos... interesses bem

facilmente. Tem uma razão pelo qual eu sou o melhor músico da família, porque, além

de Carlisle, eu já li mais livros, estudei mais ciências, fiquei fluente na maioria das

línguas... Emmett podia te fazer acreditar que eu sou um sabe-de-tudo porque leio

mentes, mas a verdade é que eu tive muito tempo livre. – Com certesa a partir daquele

dia isso tudo iria mudar. Acho que já havia lido demais, já era suficiente, a partir de

hoje todas as minhas noites eram exclusivamente dela, seriam noites para me deliciar

com seu corpo.

Rimos juntos, e o movimento da nossa risada fez coisas interessantes com a

maneira como nossos corpos estavam conectados, eficientemente acabando com aquela

conversa.